Ailton Amélio

Categorias

Histórico

Quando o ciúme beneficia o relacionamento: ciúme preventivo e ciúme retaliador

Ailton Amélio

20/05/2017 17h49

A mãe, chega em casa e procura por Lola. Ela não está em lugar nenhum! Estarrecida, ela olha para a janela: lá está Lola, do lado de fora, pés no parapeito estreito, agarrada na moldura do vidro!

A mãe grita: Saia dai!!!!

Lola responde:

Você não confia em mim?

Não vou cair, não!

Estou me segurando bem!

Olha! Estou segurando com uma mão só!

Oooohhhh, aiiiiiiiiiiiiiiii”. ……..

Ploffffft

Assim dizia Lola, que estava fora da janela, no décimo primeiro andar do prédio onde morava. Infelizmente, caiu………..

Ela confiava muito em si e, por isso, expunha-se demais aos riscos!

Rebelava-se contra a mãe que queria controla-la para não fazer isso!

Achava que a mãe era controladora, possessiva, insegura…

Evitar perigos pode ser necessário. Por mais confiante que sejamos, por mais que confiemos , quando nos expomos a outras pessoas, a situações e a substâncias, tudo isso pode alterar nossas percepções, nossos objetivos, nossos desejos e tudo isso aumenta as chances de que, mais dia, menos dia, escorreguemos janela abaixo…

Por outro lado, evitar perigos demais sufoca a si próprio e ao relacionamento.

Causas dos términos dos relacionamentos

O relacionamento pode terminar por diferentes motivos. Segundo pesquisas recentes, os principais desses motivos são o esvaziamento (os parceiros perdem o interesse um pelo outro e pelo relacionamento), as brigas muito frequentes e graves e as traições.

Essas três causas são relacionadas. Por exemplo, se o relacionamento esvaziou ou se ficou desagradável devido a brigas, tudo isso aumenta as chances de traições.

Vamos abordar neste artigo apenas a última dessas causas das dissoluções de relacionamentos: as traições.

A nossa sociedade aprova certos sentimentos e condena outros

A nossa sociedade classifica os sentimentos e emoções segundo um contínuo que vai desde aqueles que são extremamente desejáveis até o outro extremo onde estão outros extremamente indesejáveis

Entre os sentimentos desejáveis estão a compaixão, a alegria a empatia. Próximo do outro extremo, os indesejáveis, estão o ódio, a inveja e o ciúme.

“Homem não tem medo”, “Homem não chora”.

O ciúme é considerado um sentimento que é mostrado por aqueles que são imaturos e é um sinal de fraqueza.

A abordagem científica não classifica esses sentimentos e emoções usando termos avaliativos ou condenatórios. Pelo contrário, a atitude preponderante é de respeito e curiosidade. A curiosidade é pelas causas, funções e universalidade

Se o sentimento é observado em todas as culturas e em espécies próximas à nossa, a hipótese mais forte é que ele tem raízes genéticas.

Muitas expressões faciais e vocais de emoções  provavelmente têm fortes influências genéticas. Elas são universais, mostradas por recém-nascidos, mesmo quando nascem cegos, são reconhecidas precocemente e mostradas por espécies de animais próximos. Esse é o caso da alegria, raiva, nojo, surpresa, tristeza e medo.

Diga-se de passagem, o ciúme é mostrado universalmente e também é mostrado por várias espécies de macacos onde os rivais são agredidos juntamente com as fêmeas que estão mostrando sinais de traição.

Muitos desses sentimentos e emoções têm funções bastante conhecidas: a nossa espécie nem sobreviveria sem eles. Este é o caso do medo por exemplo.

Medo de menos é mortal, medo demais é paralisante e mortal também.

Quem não tem medo de nada, morre em pouco tempo: atravessa na frente dos carros, dependura-se em janelas de prédios, enfrenta bandidos nas ruas.

Quem tem medo de mais, anula-se: não sai de casa por medo de assalto, não inicia namoros, não fala na frente de salas de aula. O medo útil é aquele que é proporcional aos riscos.

No caso do ciúme, os inconvenientes são mais óbvios do que os benefícios.

Ele é desagradável para todos que sentem ciúme. Também não é suportado por muitos que são objeto de ciúme (desconfiança, restrição, insegurança do ciumento). Causa fortes transtornos para o relacionamento: brigas, restrições, prejuízos a amizades, prejuízos para a carreira.

Pior de tudo é o ciúme exacerbado e baseado em medos irrealistas

No entanto, tal como o medo, a ausência de ciúme em quaisquer circunstâncias pode ser tão prejudicial como o ciúme exagerado em muitas circunstâncias.

Não ter ciúme de ninguém e em nenhuma circunstância é irrazoável e pode levar rapidamente ao final do relacionamento: os parceiros logo se envolvem com outras pessoas e desfazem o relacionamento original.

O ciúme benéfico é aquele que é proporcional aos riscos. Ele é ainda mais benéfico quando é encaminhado da forma certa.

Prevenção e retaliação: duas medidas para diminuir as chances de traições

Nada melhor para diminuir as chances de traições do que um bom relacionamento. No entanto, abordaremos aqui dois outros mecanismos que servem para diminuir diretamente as chances de traições: medidas preventivas e medidas retaliadoras das traições.

Esses dois tipos de medidas geralmente, mas nem sempre, são motivadas pelo ciúme. Exemplo de outras motivações: interesse em manter o relacionamento que está sendo ameaçado por que ambos os parceiros estão se expondo demais a possíveis rivais.

Medidas preventivas contra traições

As prevenções a exposições ao risco são aquelas medidas que visam impedir que o parceiro se exponha demais a situações que aumentam as chances de envolvimento com possíveis rivais.

Medidas retaliadoras contra traições

As retaliações são aquelas sanções que ocorrem após a traição: terminar o relacionamento, pagar da mesma moeda, retirar privilégios, processar por danos morais e, infelizmente, agredir verbal e fisicamente, o que é completamente inadequado e intolerável.

A punição tem caráter vingativo: fazer sofre quem lhe fez sofrer. Todas as medidas legais funcionam assim: crime e castigo!

A antecipação das retaliações também tem caráter preventivo: saber as coisas terríveis que poderão acontecer se cometer tal ato, enfraquece a tendência para agir daquela forma. Nossa tendência para fazer muita coisa fica enfraquecida devido às consequências previstas: fumar, ultrapassar a velocidade permitida, ingerir comidas não saudáveis, etc.

Além disso, a retaliação serve de exemplo para outras pessoas: observar as consequências sobre terceiros que traíram ajuda os observadores a evitar fazer e também ser punido.

Prevenção da exposição a riscos de envolvimento com outras pessoas

O ciúme preventivo, como o próprio nome indica, serve para prevenir que os parceiros amorosos, por mais honestos e confiáveis que sejam, se exponham a tentações ou provoquem aproximações de possíveis rivais que irão tentá-los.

Maneiras de evitar a exposição a riscos

Quem está com ciúmes, pressiona a parceira para evitar que ela se exponha a situações que aumentam as chances que ela se envolva com possíveis rivais. Algumas das medidas tomadas com essa finalidade são as seguintes:

Pressionar a parceira para evitar:

– Relacionar-se perigosamente com possíveis rivais. Por exemplo, frequentar ambientes e desenvolver conversas que predispõem para ligações afetivas ou sexuais.

– Atrair possíveis rivais

– Apresentar sinalizar disponibilidade sexual: usar vestuário que destaquem ou revelem demais partes do corpo.

– Frequentar locais especializados em paquera. A simples presença nesses locais já é sinal forte de disponibilidade

– Comportar-se de forma que e mostre disponibilidade (por exemplo, dançar de forma provocante).

– Ingerir substâncias que alterem as percepções e diminuem as inibições que ajudam a manter a fidelidade (o superego é solúvel em álcool)

            Ingerir substâncias

– Permitir a criação e manutenção de ambientes exclusivos, onde a parceira não pode frequentar.

Problemas com o ciúme? Procure a ajuda de um psicólogo.

Sobre o autor

Ailton Amélio é psicólogo clínico, doutor em Psicologia e professor do Instituto de Psicologia da USP (1985 - 2014). Autor dos livros "Relacionamento amoroso" (Publifolha), "Para viver um grande amor" (Editora Gente) e "O mapa do amor" (Editora Gente).

Sobre o blog

Um blog sobre relacionamento amoroso e comunicação interpessoal.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.title}}

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Blog do Ailton Amélio
Blog do Ailton Amélio
Blog do Ailton Amélio
Blog do Ailton Amélio
Blog do Ailton Amélio
Blog do Ailton Amélio
Blog do Ailton Amélio
Blog do Ailton Amélio
Blog do Ailton Amélio
Blog do Ailton Amélio
Blog do Ailton Amélio
Blog do Ailton Amélio
Blog do Ailton Amélio
Blog do Ailton Amélio
Blog do Ailton Amélio
Blog do Ailton Amélio
Blog do Ailton Amélio
Blog do Ailton Amélio
Blog do Ailton Amélio
Blog do Ailton Amélio
Blog do Ailton Amélio
Blog do Ailton Amélio
Blog do Ailton Amélio
Blog do Ailton Amélio
Blog do Ailton Amélio
Blog do Ailton Amélio
Blog do Ailton Amélio
Blog do Ailton Amélio
Blog do Ailton Amélio
Blog do Ailton Amélio
Blog do Ailton Amélio
Blog do Ailton Amélio
Blog do Ailton Amélio
Blog do Ailton Amélio
Blog do Ailton Amélio
Blog do Ailton Amélio
Blog do Ailton Amélio
Blog do Ailton Amélio
Blog do Ailton Amélio
Blog do Ailton Amélio
Blog do Ailton Amélio
Blog do Ailton Amélio
Blog do Ailton Amélio
Blog do Ailton Amélio
Blog do Ailton Amélio
Blog do Ailton Amélio
Blog do Ailton Amélio
Blog do Ailton Amélio
Blog do Ailton Amélio
Blog do Ailton Amélio
Topo